Cidadã brasileira resgatada na praia mais Ocidental e perigosa da Europa

Segurança

Por Redação
19/08/2018

Uma cidadã brasileira, de 48 anos, com traumatismo grave nos membros inferiores, foi resgatada este domingo, ao final da tarde, pela Polícia Marítima de Cascais com o apoio de um helicóptero da Força Aérea, depois de ter sofrido uma queda no acesso àquela que é considerada a uma das mais belas e, também, mais perigosas, pelos acessos, praias do País: a praia da Ursa, nos limites entre Cascais e Sintra.


Capitão-tenente Pereira da Terra
Segundo disse, a Cascais24, Pereira da Terra, comandante do Comando Local da Polícia Marítima de Cascais, “houve necessidade de evacuar, com recurso a um helicóptero da Força Aérea, a cidadã para Figo Maduro, de onde seguiu em ambulância para o hospital de Santa Maria”.


Enquadrada no Parque Natural de Sintra e Cascais e localizada perto do Cabo da Roca, a praia da Ursa situa-se entre duas arribas íngremes e de muito difícil e perigoso acesso, além de que o seu areal não é vigiado.


Dada a sua proximidade ao Cabo da Roca, é a praia mais Ocidental da Europa e, também, a mais perigosa, pelos acessos.


Foi considerada pelo Guia Michelin uma das praias mais belas do Mundo, motivo pelo qual atrai turistas de todas as nacionalidades, que aproveitam para acampar no areal, apesar de ser uma prática proibida e cada vez mais “reprimida” pela Autoridade Marítima Nacional.


No entanto, os acidentes, sobretudo nos acessos, têm vindo a registar-se com uma frequência preocupante, havendo necessidade de as pessoas tomarem consciência dos riscos.


No mês passado, por exemplo, um turista, de 22 anos, sofreu um acidente e teve que ser evacuado de helicóptero, numa operação que durou 50 minutos.


Já em março, a praia da Ursa registou o seu mais grave acidente com uma derrocada na arriba, que provocou a a morte a um homem e ferimentos numa mulher que estavam também ilegalmente acampados na praia.


Imprimir

Sem comentários:

Publicação em destaque

TRIPULANTE russo de navio mercante resgatado depois de queda a bordo

Um cidadão de nacionalidade russa, 55 anos, tripulante de um navio mercante de pavilhão de Antígua e Barbuda, foi resgatado esta segunda-fei...

FOI NOTICIA

UM JORNAL QUE MARCA A DIFERENÇA

UM JORNAL QUE MARCA A DIFERENÇA