POLÉMICA. Operação no Vale da Amoreira “destruiu estruturas de apoio sem aviso prévio”, acusam hortelões, mas “preservou hortas”, diz Carreiras

ATUAL 

OPERAÇÃO limpeza destruiu estruturas de apoio às hortas
22 novembro 2020
A polémica está instalada entre a Câmara Municipal de Cascais e os hortelões, idosos e jovens, com cultivos no Vale da Amoreira, por causa de uma operação limpeza desencadeada há dias por pessoal da empresa Cascais Ambiente.

As hortas, em terreno privado, pelo menos até há dois anos, existiam desde a década de 80 e, mais recentemente, foram apoiadas por jovens da denominada associação “Desassociada”, que aí terão investido largas centenas de euros com estruturas de apoio, que foram agora completamente destruídas.

O município diz que interveio na sequência de queixas de moradores, feitas junto da Polícia Municipal e dos meios digitais da Câmara. 

CÂMARA justifica intervenção por haver lixo na ribeira

Em causa estariam “reclamações de haver lixo acumulado no espaço que estava a invadir a ribeira que aí existe”.

“Foram removidas 16 toneladas de lixo”, anunciou o próprio edil chefe, Carlos Carreiras, reiterando que “os cultivos foram preservados”.

A intervenção camarária, sem aviso prévio, incendiou as redes sociais e, inclusivamente, houve troca de acusações entre Carlos Carreiras e alguns dos membros da “Desassociada” no Facebook.

Já na última reunião do executivo e depois de interpelado pelo vereador João Ruivo, do PS, que pediu explicações para a intervenção municipal, sobretudo a destruição de estruturas de apoio às hortas, o chefe do executivo afirmou que “estamos perante campanhas de desinformação”, com “ações populistas radicais” que iremos combater.

VEREADOR do PS João Ruivo pediu explicações na última reunião do executivo



CARLOS Carreiras: “estamos perante campanhas de desinformação”, com “ações populistas radicais” que iremos combater.

Uma outra fonte municipal, que pediu o anonimato, disse, a Cascais24, que “por detrás da contestação nas redes sociais está um pequeno núcleo com uma agenda partidária oculta”.

“Mentiras deliberadas”

Os hortelões, sobretudo os membros da “Desassociada”, consideram que o município está a “mentir deliberadamente”.

“O presidente da CMC entendeu que o melhor a fazer seria insultar-nos nas redes sociais, após uma publicação nossa na página da Desassociada em que criticamos severamente a ação da câmara”, disse, a Cascais24, Constança Cardoso, membro da “Desassociada”.

“Para além disso”, precisou,”fez uma publicação no Facebook em que mente deliberadamente, dizendo que a "limpeza" das hortas foi feita com a coordenação dos hortelões do Vale, o que é simplesmente mentira, uma vez que ninguém tinha conhecimento de que esta ia acontecer”.

Segundo Constança Cardoso, quem trabalha a terra no vale da amoreira são, maioritariamente, reformados que mantêm as suas hortas desde os anos 80. Muitos deles recebem reformas de 600€ e as hortas são uma grande ajuda em termos económicos”.

“Mas para estas pessoas, as suas hortas representam também a possibilidade de se manterem ativos e de manterem um núcleo de convívio diário”, acrescentou Constança Cardoso, segundo a qual “nenhum deles recebeu qualquer tipo de aviso do que ia acontecer”. 

HORTELÕES garantem que não houve qualquer "aviso prévio"

“A Câmara Municipal de Cascais interveio em, pelo menos, 6 hortas, incluindo a nossa. É possível, no entanto, que o número seja superior. Todas estas hortas tinham cabanas construídas à mão por quem nestas trabalhava e todas foram destruídas. Grande parte do que estava guardado dentro delas ficou também danificada. Outras estruturas de apoio foram atiradas para um monte de entulho”, acusa, ainda, Constança Cardoso.

Recuperar um OP que não vingou

A requalificação do Vale da Amoreira e, sobretudo, do espaço onde existem as hortas urbanas desde os anos 80 e que agora foi alvo de intervenção municipal, fez parte de um projeto do Orçamento Participativo (OP48) do ano passado, que não obteve os votos (pouco mais de mil) para ser aprovado.

O projeto, orçado em 180 mil euros, visava a construção de um espaço verde, de estrutura simples, que servisse de área de lazer e de recreio infantil.

Já nesta altura e, embora marginalizada, a “Desassociada” tinha manifestado interesse em participar na requalificação.

FACEBOOK na sua página pessoal o edil chefe de Cascais fala em anarquismo

“A responsável por este projeto (Isabel Xavier) contatou-nos depois de ter sabido da nossa indignação nas redes sociais perante este OP48”, revelou Constança Cardoso.

“Disse-nos que não queria excluir ninguém do projeto, antes pelo contrário. Assim sendo, respondemos ao seu email dizendo que estaríamos interessados em formar uma parceria no futuro, caso o projeto fosse para a frente, de modo a estarmos incluídos, mas após este nosso email não houve qualquer outra tentativa de contato”, precisou Constança Cardoso.

E, concluiu: “Não só o nosso desejo de inclusão no projeto foi totalmente desrespeitado, como, mesmo a CMC tendo acesso ao nosso contato, não nos avisou que ia agora intervir no espaço".

Entretanto, o município assegura que, apesar do OP48 não ter ganho, o projeto será recuperado para o Vale da Amoreira e os “hortelões serão envolvidos no processo de atribuição de talhões”.



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Sem comentários:

DESTAQUE. 29 cães em risco resgatados em Carcavelos

+ populares

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."

MULTIMÉDIA.SAÚDE