Estacionamento: Um direito ou um negócio?


                                                                                 10 DEZEMBRO 2018

Em Cascais a tarifa de estacionamento voltou a aumentar.

Hoje as cidades e as vilas em Portugal e por essa Europa fora estão quase sempre pejadas de parquímetros ou de outras formas de estacionamento pago.

As novas gerações, que sempre viveram no meio de uma floresta de parquímetros, tomam como boa e irreversível esta necessidade de pagar a utilização de um espaço público.

Os primeiros parquímetros terão sido instalados em Portugal na cidade de Lisboa nos anos 60. Outras cidades e vilas foram adotando o mesmo modelo com o argumento de tarifar as zonas de estacionamento nas zonas centrais com caraterísticas comerciais para aumentar a rotatividade dos lugares de estacionamento. Afinal esta necessidade específica em meia dúzia de locais tornou-se numa mancha de óleo que passou a cobrir cada nesga de estacionamento, tendo mesmo chegado a zonas eminentemente habitacionais.

O estacionamento é afinal um direito do cidadão ou podemos considerar um serviço prestado pela autarquia sujeito à respetiva tarifação?

No meu ponto de vista o estacionamento é um direito do cidadão que lhe está a ser coartado pelos vários municípios por exclusiva responsabilidade das câmaras e a manifesta incompetência que estas e os seus serviços urbanísticos alardeiam!

Quando fui autarca em Cascais nos finais dos anos oitenta, era usual as operações urbanísticas aprovadas considerarem um lugar e meio de estacionamento por fogo.

Esta era a consideração teórica.

Por vezes, a troco de “compensação financeira” as câmaras diminuíam este rácio recebendo uma contrapartida financeira, usualmente muito mais barata para o construtor do que garantir a ocupação de espaço e a respetiva construção do estacionamento.

Moral da história, nos últimos 40 anos, o boom da construção em Cascais foi acompanhado com habilidades deste tipo.

Se em Cascais tivermos um rácio de um lugar de estacionamento por fogo já será “muito bom”!

Azar dos Távoras, a evolução económica ditou que hoje em média por fogo serão dois ou três carros. Percebe-se assim a extrema falta de estacionamento que se verifica nos centros das cidades e vilas e também nas zonas residenciais.

E as câmaras, e os senhores autarcas não quiseram ver o erro que no passado as autarquias tinham cometido, tratando de, em vez de emendar o erro criando mais estacionamento para os munícipes, optaram por transformar o espaço público numa fonte de receita, invadindo cada centímetro quadrado com parquímetros.

Ficamos a perceber que a Lei da oferta e da procura também se aplica ao “bem estar das populações” …

As zonas residenciais são selvas à noite. Cada centímetro quadrado de passeio é ocupado com carros estacionados. Os peões têm que circular na via pública e as pessoas com mobilidade reduzida o melhor é ficarem em casa.

Perante as queixas, vem uma brigada da Câmara ou da Junta de Freguesia colocar mais uns pilaretes e com isto reduzir mais meia dúzia de lugares de estacionamento.

Muda-se a política de contentorização, colocam-se uns contentores subterrâneos e, claro, à custa de mais dois ou três lugares de estacionamento.

Custa assim tanto perceber que o problema do estacionamento não se resolve com tarifação mas com a construção de mais estacionamentos?

Eu moro num prédio com 28 fogos. Não tem garagem e dispõe em frente ao imóvel de 10 lugares de estacionamento. Eram 12 mas dois foram ocupados com uns contentores de RSU subterrâneos…

Se em média considerarmos 2 viaturas por fogo estamos a falar de 56 viaturas! Com estas contas, 46 estão a mais…

Poderão dizer-me que quando comprei o imóvel já sabia com o que contava.

É verdade.

Mas enquanto cidadão não tenho direito a parquear a minha viatura perto da minha residência?

Quem cometeu o erro de planeamento, a Câmara Municipal, não tem a obrigação de corrigir o erro e garantir as condições mínimas aos munícipes?

Quando a Câmara aumenta desmesuradamente uma determinada área urbana e as condutas de abastecimento de água não têm capacidade de transporte da totalidade da água necessária o que é que a Câmara faz? Passa a tarifar cada litro de água com preço diferente para racionar o consumo ou trata de construir uma nova conduta para aumentar a capacidade de transporte de água?

Porquê soluções diferentes, abastecimento de água e estacionamento, quando se tratam de problemas semelhantes devidos à incapacidade de um correto planeamento urbano da Câmara Municipal?

O estacionamento é um direito dos cidadãos.

Pagamos IMI, pagamos IUC, e ainda temos que pagar parquímetros? Porquê?

Estamos a chegar ao tempo em que temos que dar valor e a oportunidade a nos podermos indignar com a forma como os autarcas eleitos representam os nossos direitos.

Eu quero ter estacionamento suficiente junto à minha residência!

Eu quero ter estacionamento suficiente junto às zonas comerciais nos centros das vilas e das localidades!

Eu quero ter estacionamento suficiente junto às estações de comboios e dos terminais rodoviários.

Eu quero ter estacionamento suficiente junto aos edifícios oficiais onde tenho que tratar de assuntos oficiais.

Eu quero ter estacionamento suficiente para poder ir ao Hospital ou ao Centro de Saúde.

Eu quero ter direito ao estacionamento da minha viatura. De forma gratuita!  

Eu quero autarcas que me representem e resolvam os meus problemas, não que inventem formas de me criar problemas adicionais!

E você, caro leitor, quer, ou para si assim está bem?...

Outros artigos de RUI FRADE RIBEIRO
+Nova Cascais- O betão, sempre o betão! 
+Cascais, a cegueira e a política!

Imprimir

8 comentários:

Unknown disse...

Os parquímetros até hoje não resolveram nada, excepto lapidar o bolso de cada um.
Vou ás compras, e tenho de estar preocupada porque vai acabar o tempo, quero ir à praia com crianças e deixo-as na praia sozinhas para vir por a moeda.
Mas não temos direito a andar de carro em Cascais?
Para que servem os impostos exagerados que já pagamos?
Tenho casa, mas não posso estacionar o carro porque a Câmara em vez de facilitar e arranjar espaço para estacionamento como é o seu dever, acha melhor aumentar os parquímetros e fazer disto um negócio lucrativo, muitas vezes com o terreno cedido pelos próprios construtores.
Precisamos de espaço para estacionar é um direito de todos os munícipes,
Estão a matar o comércio local, com a agravante de nem aos fins-de.semana podermos ir passear até ao centro porque o estacionamento é caríssimo.
Para quê tantos miúdos na policia municipal, eles não ajudam o munícipe, só servem para passear, multar e alguns até são mal educados, respondendo mal como já presenciei.
Sr. Carlos Carreiras, dexa à terra, porque qualquer dia deve ser o único a andar de carro em Cascais.
Resolva os problemas, não aumente os parquímetros porque só dá receita para a Câmara e fartos de pagar andamos nós.

Anónimo disse...

Totalmente de acordo com o exposto no artigo de opinião e comentário .
O negócio do estacionamento em Cascais, é uma das mais lucrativas fonte de receita para o municipio, que se deu ao luxo no corrente ano, de admitir vinte e quatro novos agentes para a policia municipal, que pasme-se na sua missão e valores , não estão vocacionados para o crime que aumentou exponencialmente em Cascais, mais para estas actividades de receita para o municipio ... na dúvida é para multar e rebocar .... esta situação é o comprovativo da politica falhada de mobilidade em Cascais, em que os agentes apenas servem para punir, e engordar a tesouraria da edilidade, para pagar ordenados dos imensos e superfluos funcionários camarários ( um dos mais altos rácios do binómio funcionário/municipes do País ) .
Para enfatizar esta ideia , dou como exemplo a passagem da exploração do Parque Estacionamento Estoril Sol Residence, que em Outubro 2018, passou da titularidade da CascaisPróxima para a firma Placegar * Gestão e Exploração de Estacionamentos; de imediato aumentaram os preços, sendo que o tarifário das avenças mensais diurnas , passou de 35 euros para 75 euros , o tarifário rotação de bilhética/hora , aumentou para o dobro , cifrando-se agora em: 1,40 euros/hora ... um autêntico roubo outorgado pelo municipio, sabendo que existia antes da construção das horrorosas torres que existem no lugar do saudoso Hotel Estoril Sol, um estacionamento de superficie publico gratuito ( junto entrada sul do Parque de Palmela) ... mais uma vez , os municipes não foram consultados para nada , apenas para pagar ....
Este suposto delfim do Sr. Passos Coelho, tem que ser corrido de Cascais, pois julga que os outros que vivem do seu trabalho, têem que pagar estas aberrações, além dos impostos mais caros da area metropolitana da grande Lisboa .... as pessoas estas fartas desta politica governativa local de imposição, falta de dialogo, e de auto promoção com o dinheiros dos outros , e basta ver o que está a acontecer em França , para perceber que qualquer dia a coisa estoura , num concelho com mais de 650 anos de história ....Já agora convinha saber qual o orçamento da Camara Municipal de Cascais, no findo ano de eleições autarquicas, e o nivel de endividamento em função das obras realizadas antes das eleições, que devem ter deixado a tesouraria da edilidade depauperada , para a eleiçao dos mesmos apegados ao poder, e ao compadrio ... porque será que o Dr. Rui Rio quer fazer limpeza no partido ? porque será que em Cascais apoiaram o derrotado Dr. Santana Lopes ?
Não temos que aturar autocratas e perpetuados no poder ... o povo deve ser soberano.

A BEM DE CASCAIS , PELA QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES

Da Serra disse...

Além disto tudo, com o qual concordo, existe a moda de fazer das garagem de moradias mais uma divisão, seja habitável, seja lúdica, e os po-p
os lá ficam na rua, como acontece na rua do Farol, por exemplo, no na Quinta do Rosário.
Mais, alguns residentes acham que dá muito trabalho por o carro na garagem, e toca a deixá-lo na rua, prejudicando aquele que não têm garagem...
Enfim, um verdadeiro caos o estacionamento em Cascais!

Anónimo disse...

É muito estranho que ninguem da Camara Municipal de Cascais, ou a mando desta diga algo sobre este vergonhoso assunto da negociata dos estacionamentos ... é seguramente o reconhecimento tácito do fracasso da politica levada a cabo pelo sr. carreira .

Anónimo disse...

De acordo com todos os comentarios produzidos .
O Sr. Passos Coelho já foi corrido pelos portugueses; só falta em Cascais o delfim seguir a mesma estrada ... vá arranjar trabalho sem ser á conta dos contribuintes .

JD disse...

Esta questão do estacionamento em Cascais, aqui muito bem tratada, revela a incompetência e gula dos autarcas. Incompetência, porque não fazem contas, e por isso não cumprem os seus deveres de gestão urbana. O caso revelado pelo autor sobre confusão que pode estabelecer-se no prédio onde habita, por força da densidade de viaturas face à disponibilidade pública,só pode ter concorrência com um prédio em frente do meu, entalado noutros prédios, cujo construtor duplicou o volume da construção, sem espaço em redor que permitisse o racional estacionamento das viaturas, apesar do aviso feito pela associação de moradores , quer à CMC quer à Protecção Civil.
A incompetência do executivo municipal fica bem patenteada pelo excessivo licenciamento de construções ao sabor da gula dos intervenientes. De facto, gula e competência nunca foram conciliáveis.

Anónimo disse...

Eu trabalho na vila de Cascais há muitos anos ,estacionar sempre foi dificil, especialmente no centro de Cascais, trabalhadores estacionavam de manhã e no final do dia voltavam à sua residência .Logo os condutores destes automóveis passaram a pagar para estacionar .€15,00 por mês para estacionar numa artéria e sem saber que tenho lugar ...Já fui multada duas vezes ( tendo sido perdoada) porque a aplicação do fiscal não reconhece a matrícula do meu veículo .
No edificio onde resido ,uns quantos estacionam na rua ,porque é menos trabalhoso .Preguiça .
Em Cascais ás 18hp00 a vila está deserta ,lojas vazias , o comércio local definha .Quem fica a ganhar são os centro comerciais - só falta estes lugares serem tambem pagos .
Viver e eztacionar em Caecais , um inferno .

Jorge Pereira disse...

Depois de ler os vários comentários só posso perguntar o que querem fazer agora? Vamos deslocalizar o centro de Cascais? Vamos permitir que aqueles que trabalham fora do concelho deixem o carro a ocupar o dia todo impedindo os restantes de sequer sonharem lá estacionar mesmo que seja para trabalhar?

Podemos mudar o futuro e eu defendo que o trânsito no centro devia ser encerrado de vez...

MAIS PROCURADAS

MULTIMÉDIA.SAÚDE

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."