Mãe e dois filhos refugiam-se em casa Abrigo para fugir a violência doméstica

Segurança

Por Redação
18 novembro 2019

Uma mulher e os dois filhos, menores, foram acolhidos numa casa Abrigo para escaparem a agressões físicas e psicológicas por parte do marido e pai, suspeito dos crimes de violência doméstica e ofensa à integridade física qualificada, no âmbito de uma investigação dirigida pelo DIAP de Cascais.

O homem foi, entretanto, detido e submetido a primeiro interrogatório judicial, tendo o juiz de Instrução Criminal de Cascais decidido coloca-lo em liberdade, sujeito às medidas de coação de proibição de contactar, por qualquer meio, com a vítima e de deslocar-se e de permanecer na residência e junto ao local de trabalho da mesma.

Estas medidas de coação são fiscalizadas por meios técnicos de controlo à distância.

Segundo a autoridade judicial, a aplicação de estas medidas deve-se, em concreto, por estarem em causa “os perigos de continuação da atividade criminosa e de perturbação do inquérito na vertente de aquisição e conservação da prova”.

De acordo com os fortes indícios recolhidos pela investigação dirigida pelo Núcleo de Cascais do DIAP, o arguido começou a namorar com a mulher em 1999, tendo casado em 2005 e relacionamento nasceram dois filhos, ainda menores.

Pelo menos, desde 2012 que o arguido vinha agredindo física e psicologicamente a mulher e na presença dos filhos do casal, molestando-a fisicamente, dirigindo-lhe palavras ofensivas da sua honra e consideração e ameaçando-a de morte.

A certa altura, terá mesmo instalado duas câmaras funcionais no interior do domicílio comum e um dispositivo funcional de geolocalização nos dois veículos do casal para registar e controlar os movimentos da vítima.

Numa das ocasiões em que agredia a mulher, um dos filhos do casal interpôs-se para defender a mãe, tendo sido também agredido com uma pancada desferida com a mão aberta.
Imprimir

1 comentário:

estevesayres disse...

Qual é a rasão , porque é que este tipo de canalhas não são presos?! Pelos visto vai andar à solta até que o juiz decida o que fazer…
Não conheço o caso, mas por aquilo que li, o agressor parece-me pertencer a classe média alta, o que me deixa desconfiado, pela decisão do juiz!
Sabemos, que a justiça, continua cega e mouca, e fico por aqui...

Publicação em destaque

DIAP de Sintra manda PJ fazer buscas à Câmara de Cascais 5 anos depois de denúncias de vereadores da oposição

Inspetores da Unidade Contra a Corrupção da PJ fizeram buscas, esta quarta-feira, de manhã, nos Paços do Concelho de Cascais e nas instalaçõ...

FOI NOTICIA

BLOGS