MULTIMÉDIA

CSI da Judiciária investiga fogo que matou mulher e fez 12 intoxicados em habitação

Segurança

Fogo deixou impressionante rasto de destruição na habitação (Foto DR/ Cascais24)
Por Redação
14 dezembro 2018
Peritos do Laboratório de Polícia Científica da Polícia Judiciária (PJ) foram chamados a investigar a origem do incêndio que, esta sexta-feira, de manhã, provocou um morto e 12 intoxicados, entre os quais 4 crianças e dois agentes da PSP, no primeiro andar de um edifício de habitação social, na rua da Fidelidade, em São Domingos de Rana, apurou Cascais24.

A vítima mortal é uma mulher, de 60 anos, locatária da habitação onde o fogo deflagrou e cujo corpo foi removido ao início da tarde pela auto maca da PSP para o Gabinete Médico Legal da Guia para ser submetido a autópsia.

Fontes contatadas por Cascais24 não confirmaram nem desmentiram que a mulher tenha ficado carbonizada no incêndio, que deflagrou pouco depois das nove horas da manhã.

Pedro Carvalho, que dirigiu e coordenou a operação
À exceção dos dois agentes da PSP 56ª Esquadra (Trajouce), que sofreram intoxicação, por inalação de fumos, ao tentaram resgatar moradores do edifício e que foram assistidos no local, 10 outras pessoas, entre as quais 4 crianças e seis adultos, com a mesma sintomatologia, tiveram necessidade de ser assistidas nas urgências do Hospital de Cascais, disse, a Cascais24, Pedro Carvalho, Segundo Comandante dos Bombeiros de Carcavelos e São Domingos de Rana, que dirigiu e coordenou as operações.

O incêndio, que deflagrou no primeiro andar do edifício de habitação social de três pisos foi pronta e eficazmente combatido pelos corpos de Bombeiros de Carcavelos e São Domingos de Rana, Alcabideche e Parede, os quais, no entanto, não lograram impedir a sua destruição, embora tivessem conseguido impedir que as chamas alastrassem e tomassem proporções mais dramáticas.
Equipas de socorro no local (Foto DR/ Cascais24)

"A fração afetada ficou sem condições de habitabilidade", revelou, por sua vez, Carlos Estibeira, da Proteção Civil Municipal de Cascais, segundo o qual "os três moradores desalojados serão realojados pelo município".

Já os moradores das restantes frações puderam regressar às suas habitações, depois de os Bombeiros terem procedido à ventilação de todo o edifício e da equipa de uma empresa de gás natural ter procedido a vistorias de segurança.

Pânico

O incêndio causou momentos de grande pânico, não só entre os moradores do edifício, como naqueles que lhe estão contíguos e em toda a área envolvente.

Dois agentes da PSP foram assistidos no local, mas os restantes intoxicados tiveram que ser evacuados para o Hospital (Foto DR/Cascais24)
Enquanto chamas alterosas lavravam na habitação, densas camadas de fumo envolveram todo o interior e exterior do edifício, onde havia ainda pessoas a dormir, como foi o caso de uma criança, que foi resgatada às costas, como "um saco de batatas", pelos Bombeiros.
Subintendente da PSP de Cascais Francisco Alves



Segundo o Subintendente Francisco Alves, Adjunto do Comando da Divisão Policial de Cascais, "a PSP realizou todos os procedimentos neste caso, nomeadamente criando um perímetro de segurança por forma a facilitar o trabalho e a intervenção das equipas de socorro".


Nas operações de combate a este incêndio estiveram mobilizados 48 operacionais, apoiados por 20 veículos, dos Bombeiros de Carcavelos e São Domingos de Rana, Parede e Alcabideche, a moto do INEM e a VMER do Hospital de Cascais, a PSP e a Proteção Civil Municipal.
A PSP montou um perímetro de segurança para facilitar o trabalho das equipas de socorro (Foto DR/ Cascais24)





Imprimir







Sem comentários:

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."

Abrigos precisam-se!

Quem põe na ordem donos de caninos?

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo
Artigo de OPINIÃO Drª Francisca Delerue

Expulsemos as traquitanas