Cinco pessoas intoxicadas no fogo em apartamento no edifício "Sol de Cascais"

Segurança


Cinco pessoas ficaram intoxicadas por inalação de fumos, mas só uma delas teve que ser assistida no hospital, em consequência do incêndio que deflagrou esta sexta-feira, à tarde, num apartamento do primeiro andar do edifício de 7 pisos "Sol de Cascais", na avenida 25 de Abril.

Quatro das pessoas intoxicadas - dois casais, um deles locatário do apartamento - foram assistidas no local pelas equipas de socorro e não tiveram necessidade de ser conduzidas à urgência hospitalar.

Apenas um homem, empregado numa das lojas do rés-do-chão do edifício, que tentou extinguir o fogo antes da chegada dos Bombeiros, teve que ser transportado, por precaução, ao Hospital de Cascais.

O incêndio deflagrou pouco antes das quatro horas da tarde, aparentemente num quarto do apartamento, desconhecendo-se, no entanto, qual a causa, embora um cigarro esquecido possa ser uma hipótese.

Todavia, em declarações a Cascais24, João Loureiro, comandante dos Bombeiros Voluntários de Cascais, afirmou que "a origem do incêndio é desconhecida".

Na altura em que o fogo começou os dois casais, na casa dos 60 anos, estariam no apartamento.

A elevada carga térmica na habitação, acabou por provocar densas camadas de fumo, que chegaram a envolver praticamente todo o edifício, apesar de não ter havido necessidade de evacuar os moradores.

O ataque ao fogo foi feito pelos Bombeiros a partir da praceta situada nas traseiras do edifício, pelo lado da praceta Jaime Thompson.

Em cerca de uma hora, os Corpos de Bombeiros conseguiram controlar e dominar completamente o incêndio.

O balanço final, para além das cinco pessoas intoxicadas, foi a destruição completa do quarto do apartamento onde o fogo tinha deflagrado e a ausência de condições de habitabilidade devido aos fumos provocados pelos calores da combustão.

Todavia, os locatários do apartamento afetado dispensaram apoio no realojamento, mesmo que temporário, por parte da Câmara Municipal de Cascais, cujo presidente, Carlos Carreiras, chegou a deslocar-se ao chamado "teatro das operações" para inteirar-se da situação.

Nas operações de socorro estiveram mobilizados 31 operacionais, apoiados por 10 veículos, dos Corpos de Bombeiros de Cascais, Alcabideche, Estoril e Carcavelos e São Domingos de Rana, agentes da PSP, da Polícia Municipal e do Serviço Municipal de Proteção Civil. 





Sem comentários:

DESTAQUE.

Agente da Polícia Municipal agredido à cabeçada junto ao CascaisVilla

SEGURANÇA .  Um agente da Polícia Municipal foi agredido à cabeçada e teve necessidade de ser assistido no Hospital de Cascais, este sábado,...

+ populares