Radiologista pedófilo julgado por quase 2 mil crimes conhece acórdão esta semana

Segurança

Por Redação
02 março 2020

Um ex-técnico de radiologia do Hospital de Santana, na Parede, detido em abril de 2018, por suspeita de pedofilia, conforme Cascais24 avançou, então, em primeira mão, vai conhecer o acórdão, esta quinta-feira, à tarde, no Campus de Justiça, em Lisboa, onde foi julgado à porta fechada.

As primeiras investigações, apontavam para a alegada prática de 51 crimes, mas no desenrolar das mesmas apurou-se que o arguido terá praticado, pelo menos 1.772 crimes de pornografia e 33 de abuso sexual de menores, pelos quais agora respondeu em julgamento.

Foi investigado e acusado pela 2ª Secção do Diap de Lisboa, que dirigiu a investigação, em coadjuvação com a Polícia Judiciária (PJ) que, à altura, entre outros locais, fez buscas no gabinete de trabalho do suspeito, no serviço de imagiologia daquele hospital da Santa Casa da Misericórdia onde trabalhava desde 2005.

Em prisão preventiva desde há dois anos e atualmente com 48 anos, o homem vivia na freguesia de São Domingos de Rana, depois de ter deixado um apartamento em Carnaxide.

O ex-técnico radiologista é acusado de, desde 2014, ter acedido, difundido e partilhado milhares de ficheiros de imagem e de vídeo com abusos sexuais de crianças através da ‘darknet’ (rede fechada a um grupo privado de pessoas), na qual criou e utilizou diversas identidades.

Só no fórum “anjos proibidos”, alojado na ‘darknet’, o arguido “partilhou um total de 1.252 ficheiros de imagem e 40 ficheiros de vídeo, contendo abusos sexuais de crianças menores de 14 e de 16 anos”, assim como “40 ficheiros de imagem de representação realista de menor, em práticas sexuais com adultos”.

Grave, ainda, é a acusação da prática de 33 crimes de abuso de menores, de que terão sido vítimas entre o verão de 2014 e 2017 duas crianças, de 6 e 15 anos, filhas de uma amiga carenciada e que ajudava com o fornecimento de géneros alimentares e o pagamento de água, luz e gás.

No verão de 2014, “por intermédio de uma amiga comum, que o apresentou como sendo uma pessoa que gostava de ajudar famílias carenciadas”, o radiologista conheceu a mãe das duas crianças e passou a frequentar a sua habitação, o que lhe permitiu aproximar-se dos filhos. Nas visitas que fazia, oferecia produtos alimentares e emprestava dinheiro à família para pagar água, luz e gás.

A certa altura, graças à confiança ganha, a mulher permitiu que os filhos saíssem e frequentassem o apartamento do suspeito, para além de autorizar que passassem fins de semana e até alguns dias de férias com ele no parque de campismo da Zambujeira do Mar.

Semanalmente, o arguido entregava, igualmente, entre 20 e 30 euros aos dois menores, além de que, também como forma de pagamento pelos atos sexuais ofereceu, a cada um, uma bicicleta e ajudou a mãe a custear as passagens aéreas de uma viagem a Inglaterra.

Noticias relacionadas
Imprimir


1 comentário:

Maria Fialho disse...

Bem, que podemos acrescentar a este assunto, que uma Besta fez!!!
Sinceramente, eu e outras pessoas, não concordamos, desde o principio, que deixem "esconder" a cara desses e outros que fazem Crimes Horríveis!!! Na TV só se vê caras tapadas!? PORQUÊ!?
Deixem-nos ver quem são!!! São soltos porque é o que sempre acontece, pois nunca cumprem o merecido castigo, e ainda se preciso for, voltam a exercer! Até por nossas crianças, jovens poderíamos saber quem são, e num futuro próximo, sempre sabíamos que aquele/a não prestam!!! Haver em algum lugar, fotos deles/as, ainda ajudavam Tantas vidas ... Por Favor algo seja feito!!!
Há dias eu dizia que este género de Bestas,pedófilos(as)e assassinos, deviam ser postos naquele Farol (quartel) que está no meio do mar, onde eram postos antigamente... Sem nada!!! Obrigada. Maria

MAIS PROCURADAS

MULTIMÉDIA.SAÚDE

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."