Tribunal de Cascais ordena expulsão do País de jovem brasileiro suspeito de burla com alojamento local

Segurança

Por Redação
30 janeiro 2020
O Tribunal de Cascais ordenou a expulsão de território nacional de um jovem, 21 anos, cidadão brasileiro, suspeito da prática de burla com o aluguer de um apartamento, em regime de alojamento local, em Carcavelos.
O jovem foi detido, em flagrante delito, esta terça-feira, por agentes da Esquadra de Investigação Criminal da PSP de Cascais.

Tinha alugado um apartamento por cinco dias em regime de alojamento local, tendo de seguida publicitado em plataformas online de aluguer de imóveis, propondo o aluguer pelo período de um ano, mediante o pagamento da renda mensal à qual acrescia o pagamento do mês de caução.

Cautelosa, uma das vítimas, que havia contatado com o suspeito e acordado com o mesmo a realização de contrato de aluguer, procedeu, entretanto, a algumas pesquisas, pois teria sido defraudada anteriormente pelo mesmo método.

As suas pesquisas levaram-na até ao verdadeiro proprietário do apartamento, que revelou a situação de aluguer em regime de alojamento local.

No entanto, suspeitando estar a ser vítima de burla, formalizou queixa na Esquadra da PSP de Carcavelos, tendo a investigação passado para a alçada da Esquadra de Investigação Criminal, que encetou diligências de recolha de prova, vindo a presenciar o crime depois de o suspeito e vítima terem assinado um contrato de aluguer.

Na sequência da detenção, em flagrante delito, foram ainda efetuadas buscas domiciliárias, durante as quais os investigadores da PSP obtiveram mais elementos de prova, que vieram consubstanciar as suspeitas existentes.

Por ser cidadão estrangeiro, foi contatado o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que informou da situação irregular em território nacional do suspeito, contra o qual pendia uma ordem de expulsão do País.

Esta ordem acabou por ser validada pelo Tribunal de Cascais, junto do qual o suspeito foi presente, tendo sido decretada a sua expulsão de território nacional, sem prejuízo de continuidade da investigação em sede de inquérito.

Imprimir


6 comentários:

Emengarda disse...

Bem feito ... Expulsão foi pouco!!

Unknown disse...

Outros a cometer o mesmo sem ser estrangeiro?! Preconceito é o cancro da sociedade.
Independe a nacionalidade do arguido. Devem ser punidos conforme a lei local. Tão simples quanto isso.

Design Gráfica Express disse...

Lamentável ver uma pessoa fazer isso com seu conterrâneo e envergonhando a todos os brasileiros que vivem honestamente. Vergonha alheia!!!

Brasileiro honesto disse...

Este ser deveria perder a nacionalidade Brasileira e se tornar apatrida por causar tamanha vergonha à sua nação e aos seus conterrâneos. Lixo!

Unknown disse...

Portugal deveria controlar muito melhor as suas fronteiras,aplicar um "filtro" melhor as entradas e nao como tem sido feito,tao facil entrar! Depois da nisto, muita Mex9a ja cheira mal!!

Eduardo Silva disse...

Sou Brasileiro e moro no Brasil. Visitamos Portugal eu e minha esposa em Outubro de 2018, para conhecer a terra pátria do pai dela. Sinto imensa vergonha de casos como esses. Sao estes parasitas, verdadeiros câncer "cranco" na sociedade brasileira, que passam uma falsa imagem que brasileiro é tudo igual. Querem fazer as mesmas brasileirices aqui no Brasil, em outros países no mundo. Esse é o resultado da criação e educação dadas pelos pais da geração anos 90 e anos 2000, que nao impõe limites, tegras, valores morais, educação e respeito. A educação dada é que tudo pode, o mundo gira ao redor a disposição. A educação que é dada nesses tempos um tablet, um celular que dão nas mãos e transferindo a responsabilidade de educar para professores em sala de aula. Hoje no Brasil o que os governantes, as leis aprovadas por eles, pata proteger eles mesmos, é que é normal roubar, receber propinas, fazer estelionato, fazer de tudo ilegalmente é correto é certo.

MAIS PROCURADAS

MULTIMÉDIA.SAÚDE

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."