MULTIMÉDIA

Jovem militar cascalense defende Aeroporto de Cabul há 6 meses

Atual

                               27 Outubro 2018
André Filipe Raimundo André, um jovem militar português, nascido há 26 anos em Cascais e a viver com os pais em Manique de Baixo, na freguesia de Alcabideche, é um dos 146 militares do Exército luso que, há seis meses, integra o Destacamento da NATO no Afeganistão, que tem por missão defender o aeroporto de Cabul contra os Talibãs e os terroristas do Daesh.


Os pais e irmãs de André André contam os dias e as horas que faltam para ele regressar da arriscada missão para junto da família. Um regresso previsto para o próximo dia 7 de novembro, confirmou, a Cascais24, o pai, Vítor André, segundo o qual “ a família fala com o André regularmente, desde que ele está na missão no Afeganistão”.



“Preocupados, receosos? Claro que estamos todos os dias, sabendo que o nosso filho está no cumprimento de uma missão internacional em país tão longínquo e perigoso”, sublinhou a Cascais24.



Em julho último, um atentado reivindicado pelo grupo terrorista do Estado Islâmico provocou 15 mortos e 60 feridos à saída do aeroporto de Cabul, vulgo Hamid Karzai também conhecido como Khwaja Rawash, que é o principal aeroporto do Afeganistão, situado a 16 quilómetros do centro da capital do país.


Na origem do atentado do Daesh esteve o regresso, ao fim de um ano de exílio, do general Abdul Rashid Dostum - o primeiro vice-presidente do Afeganistão, temido e poderoso senhor da guerra do norte do Afeganistão.


"Confinados"


O Destacamento militar português que André André integra ao serviço da NATO chegou ao Afeganistão em maio último.


Trata-se do mesmo Destacamento que, em setembro de 2017, o então ministro da Defesa, Azeredo Lopes que, entretanto, pediu há dias a demissão, na sequência do escândalo do furto de armas de Tancos, anunciara enviar “no final do primeiro trimestre de 2018”.


Segundo Azeredo Lopes afirmou na altura, este Destacamento ficaria "confinado a um espaço limitado onde as garantias de segurança não são absolutas, mas são superiores a qualquer outra parcela" do país: o aeroporto de Cabul.


No entanto, o atentado junto ao aeroporto de Cabul que, naturalmente, o ministro português não podia prever, veio demonstrar que…segurança não existe mesmo em lado algum, muito menos num país como o…Afeganistão! 


"Orgulho"


André André com os pais e as irmãs momentos antes da partida para o Afeganistão
André Raimundo André ingressou no Exército português aos 24 anos, depois de ter “trabalhado no arborismo do Parque Palmela e em diversas unidades hoteleiras da Costa do Estoril, fazendo de tudo um pouco”.


“O meu filho é um grande lutador”, disse, a Cascais24 o pai, Victor André, que o incentivou a integrar as fileiras do Exército.


“Temos muito orgulho no nosso filho”, conclui Victor André.


“Um lenço a dizer adeus”

O jovem militar cascalense partiu para o Afeganistão em maio último, depois de, ao serviço do Exército, ter passado por Beja e por Viseu.


No dia da partida, a grande emoção da família, sobretudo e a mais visível foi da mãe, Ana Paula André, no aeroporto militar de Figo Maduro.


Uma foto que vale por mil palavras com Ana Paula André a despedir-se do filho no aeroporto militar de Figo Maduro
Já com o filho a bordo do aparelho que começava a rasgar os céus rumo a Cabul, Ana Paula André, com as lágrimas a correr-lhe pelo rosto, içou um lenço branco de adeus que ele não pôde ver, a fazer lembrar o emotivo fado de Frei Hermano de Câmara.


A família aguarda com ansiedade o regresso a casa de André André!
Na véspera da partida o brinde de seis meses que agora a família quer repetir e festejar pelo regresso

Imprimir

Sem comentários:

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."

Abrigos precisam-se!

Quem põe na ordem donos de caninos?

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo
Artigo de OPINIÃO Drª Francisca Delerue

Expulsemos as traquitanas