Dia Municipal do Bombeiro cada vez mais politizado em Cascais

Atual

                                                                                                                                              (Fotos P. Santos/Cascais24)
Por Redação
21/10/2018

Cascais comemorou este domingo mais um Dia Municipal do Bombeiro, com uma cerimónia que decorreu na Baía, marcada por discursos cada vez mais politizados, em que alguns oradores prestaram-se a destacar e a agradecer mais os “apoios” municipais do que, propriamente o trabalho e o espírito de sacrifício desenvolvidos pelas centenas de homens e mulheres que fazem parte dos cinco Corpos de Bombeiros do concelho.



Exceção feita, desta vez, ao presidente do governo local de Cascais, Carlos Carreiras, que fez questão de sublinhar e enaltecer o trabalho dos bombeiros do concelho ao afirmar que “este é um momento em que, de alguma forma, os cascalenses mostram o seu reconhecimento a estes homens e mulheres, que muitas das vezes metem a própria vida em risco e abandonam as famílias para irem salvaguardar aquilo que é nosso”.



O Dia Municipal do Bombeiro, organizado pelos Bombeiros de Cascais, contou com a presença do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita que, à semelhança do elogio feito então pelo Primeiro-Ministro, António Costa, salientou na sua intervenção e referindo-se ao recente incêndio na serra de Sintra, que alastrou a Cascais, a forma “serena” como os responsáveis locais responderam à situação.



No âmbito das cerimónias tiveram, igualmente, lugar as promoções da Escola Conjunta de Bombeiros, o desfile apeado e motorizado das cinco Corporações de Bombeiros, e ainda a entrega de veículos adquiridos no âmbito do Orçamento Participativo do ano passado.



A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Cascais foi contemplada com um veículo de combate a incêndios florestais e carro tanque, o Estoril com uma ambulância de socorro e equipamentos de proteção individual, Carcavelos e São Domingos de Rana também com uma ambulância de socorro, Alcabideche igualmente com uma ambulância de socorro e equipamentos de proteção individual e, finalmente, a Parede com uma ambulância de socorro, esta, no entanto, com origem ainda no OP de há dois anos.


Imprimir




1 comentário:

Anónimo disse...

Obrigado a todas as corporações de bombeiros voluntários que participaram com saber, atitude , no último grande incêndio do parque natural Sintra Cascais, que consumiu cerca de 485 hectares do nosso parque natural .
Alguns com responsabilidade, falam em serenidade na liderança de actuação , mas enfrentar uma besta de chamas que nas primeiras duas horas , evoluiu à média de 100 hectares por hora , provocando nos cascalenses, medo , angústia e insegurança, registo que fica guardado na nossa memória .
Outros dizem que protegeram as populações e não deixaram ninguém à sua sorte , mas evacuaram cerca de 370 pessoas ... alegam ainda que fizeram o trabalho de casa, efectando a desmatação, mas ficou provado que nem sequer sabem o que é a gestão de um parque de combustivel, deixando restos de desmatação de material lenhoso nas bermas das estradas .... ficámos de facto à mercê da sorte do vento ...
Os cascalenses devem esperar que o ICNF não delegue competências na autarquia,que cumpra na íntegra o disposto no DL 124/2006, e que trabalhe arduamente, a nivel do comando distrital , no plano de recuperação para os 3200 hectares do parque natural, nas suas duas vertentes : protecção de bens e pessoas, sem coartar o valor intrinseco do parque a nivel do ecossistema natural .
Todos assistimos a declarações politicas de aproveitamento no rescaldo do incêndio , tal como a que refere aos terrenos ardidos perto do Guincho, que a edilidade municipal iria accionar o direito de preferência .... excelente atitude ... para manter a coerência de silogismos , porque será que o actual elenco governativo local de direita, não faz o mesmo na Quinta dos Ingleses em Carcavelos ???

A BEM DE CASCAIS PELA ACTUAÇÃO COM TRANSPARÊNCIA.

Publicação em destaque

O regresso ao escritório pós-Covid: modelos e medidas a adaptar

TRABALHO .  O teletrabalho deixou de ser obrigatório desde o dia 1 de agosto em Portugal. A medida estava em vigor desde janeiro deste ano, ...

FOI NOTICIA

BLOGS