AMBIENTALISTA de Cascais Miguel Lacerda recebe menção honrosa pelo trabalho de sensibilização

ATUAL

MIGUEL Lacerda agora distinguido na primeira edição do Movimento Faz Pelo Planeta By Electrão

Por REDAÇÃO
18 novembro 2021 | 15h18

Fundador da Associação Cascaisea, o ambientalista de Cascais Miguel Lacerda acaba de receber uma menção honrosa pelo trabalho de sensibilização que desenvolve sobre a problemática do lixo marinho.

A distinção integra-se no âmbito da primeira edição da iniciativa Movimento Faz Pelo Planeta By Electrão, - uma campanha lançada em maio pelo Electrão, que pretende trazer para a ribalta ativistas anónimos, também designados de “big changers”. 

Miguel Lacerda, 64 anos, dedica a sua vida à sensibilização sobre este tema com estudos, livros, ações e formações para crianças e adultos com o objetivo de mudar mentalidades.

Uma outra menção honrosa foi atribuída ao professor de História e educação especial, Carlos Dobreira, residente em Palmeira, Braga, pela prática de plogging, uma combinação de corrida com recolha de lixo.

Desde junho de 2019 que o professor recolhe beatas de cigarro e outros resíduos em seis concelhos do Centro e Norte de Portugal: Amares, Braga, Esposende, Ílhavo, Seia e Terras de Bouro. No total já recolheu mais de 60 mil beatas de cigarros e outro tipo de resíduos ao longo de 166 sessões cronometradas de plogging

A grande vencedora desta iniciativa é Lídia Nascimento. Tem 50 anos, é tradutora de inglês-alemão e reside em Santa Cruz, Torres Vedras. Há 20 que recolhe lixo das praias: embalagens, brinquedos, redes de pesca, medicamentos e até chaves.

A página de Lídia Nascimento “Mar à deriva – Adrift Sea” tem nove mil seguidores no Facebook e mais de 6700 no Instagram. Usa as redes sociais – não as redes de pesca que recolhe nas praias – para alertar para a quantidade desmedida de plástico à deriva e não só. “Queremos que os nossos filhos tenham um planeta para viver no futuro, bem como os filhos das baleias, dos golfinhos, dos cavalos-marinhos”, escreve nas páginas que usa como mostruário dos ‘espécimes artificiais’ captados à beira mar.

 

Empresas também fazem a diferença

 

O Electrão procurou agentes de mudança, não só na comunidade, os “big changers”, mas também dentro das empresas, onde há sempre alguém que se destaca fazendo a diferença e impulsionando boas práticas ambientais. Na categoria de “corporate changers” o prémio foi para a Infraestruturas de Portugal. A empresa foi eleita nesta categoria pelos projetos de sensibilização que desenvolve internamente e por ter reunido a maior quantidade de resíduos para reciclagem, tal como previsto no regulamento do prémio.


Os vencedores desta primeira edição, eleitos pelo júri do projeto, recebem os prémios na tarde desta quinta-feira, 18 de novembro, num evento intimista na Fábrica Braço de Prata, em Lisboa. Os grandes vencedores, na categoria “big changer” e “corporate changer”, terão oportunidade de viajar a um parque florestal da Europa. A empresa vencedora terá ainda acesso a planos de consultoria ambiental.


“O número de candidatos a ‘big changers’ e ‘corporate changers’ aproximou-se dos 100 a nível global. Em 2022 queremos elevar a fasquia e aumentar a participação. Vamos voltar a premiar quem já faz pelo planeta, mas com muitas novidades. Queremos potenciar a mudança de que necessitamos para um planeta mais sustentável”, sublinha o Diretor-Geral do Electrão, Pedro Nazareth.

Para inspirar a participação de muitos ambientalistas que ainda se encontram na sombra, o movimento envolveu na iniciativa alguns dos influenciadores mais conhecidos nestas áreas: Ana Milhazes (Lixo Zero), Anna Masiello (Hero to Zero), Catarina e Rita Leitão (Zero Plástico), Catarina Matos (Mind the Trash), Gonçalo de Carvalho (SCIAENA), Inês Soares (Nononovo), Joana Tadeu e Raquel Gaspar (Ocean Alive).   


Esta iniciativa do Electrão, com o alto patrocínio da Presidência da República, tem como parceiros governamentais a Agência Portuguesa do Ambiente e o Instituto Português do Desporto e Juventude. Entre os parceiros associativos e empresariais do movimento estão o BCSD - Business Council for Sustainable Development, Corpo Nacional de Escutas, Deco Proteste, EGF, ESGRA, Lidl Portugal, Liga dos Bombeiros Portugueses, Quercus e Veolia. 

 

Sobre o Electrão

O Electrão – Associação de Gestão de Resíduos é a entidade responsável por três dos principais sistemas de recolha e reciclagem de resíduos: embalagens, pilhas e equipamentos elétricos usados. Gere uma rede de recolha de equipamentos elétricos e pilhas usadas com mais de 6000 locais de recolha dispersos por todo o território nacional e é também responsável pela reciclagem de embalagens em todo o país. A sua principal missão é assegurar a reciclagem dos resíduos recolhidos, contribuindo para a minimização do impacto ambiental e para um reaproveitamento dos materiais que os constituem promovendo a economia circular.  Desenvolve diversas campanhas de comunicação e sensibilização com o objetivo de promover uma maior consciencialização ambiental e uma mudança de comportamentos, de que se destacam o Quartel Electrão, a Escola Electrão e o TransforMAR.



 


Sem comentários:

Publicação em destaque

BOMBEIROS de Parede salvam canídeo de poço. Veja o vídeo do resgate

CANÍDEO aguarda pelo socorro (Créditos: BVParede) RESGATADO COM SUCESSO . Um canídeo foi resgatado, esta quarta-feira, de manhã, pelos Bomb...

FOI NOTICIA

BLOGS