Afinal o que passa?

                                                                             30 MAIO 2019

Afinal o que se passa?
70% de abstenção e mais 7% de votos brancos e nulos são uma demonstração clara que a democracia em Portugal está doente e precisa urgentemente de um abanão.
Como chegámos até aqui?
Partilho o meu ponto de vista.
Se a democracia é uma forma de exercício de poder representativo, ou seja, a totalidade de pessoas de uma comunidade delega o seu poder num grupo restrito de pessoas por um determinado tempo, em Portugal é um processo que entrou em falência.
A explicação do fenómeno é, no meu ponto de vista, uma coisa parecida com a discussão do que é que surgiu primeiro, o ovo ou o pinto.
A democracia em Portugal transformou-se numa partidocracia, em que são os dirigentes partidários que exercem o poder tendo-se desligado da vontade do povo que representam. Se os eleitores não se revêm nessa forma de exercício de poder desinteressam-se do processo.
Também é verdade que hoje estamos genericamente afastados do hábito de pensar e de lutar pelo que achamos ser nosso direito.
É mais fácil ir ao Marquês festejar a vitória de uma equipa de futebol do que ir a uma Assembleia Municipal participar na discussão de um assunto que impacta na comunidade em que estamos inseridos.
Porque não queremos pensar, preferimos adotar a primeira balela que nos contam sem sequer um pequeno esforço de escrutínio da sua bondade, exequibilidade e interesse real para a comunidade.
É por isso que vemos uns quantos a participar em Orçamentos Participativos que vão decidir qual a corporação de bombeiros que vai receber mais uma ambulância ou qual a escola ou pavilhão desportivo que vai finalmente ver o telhado de amianto demolido.
Mas a esmagadora maioria está farta da falsa representação dos eleitores pelos partidos políticos, pela legislação criada que protege o corrupto, pela falta de medidas que promova a transparência e devolva legitimidade à democracia.
Mas como poderão ser os representantes dos Partidos, que ocupam os governos locais, regionais e nacional ser o garante dessa nova revolução tranquila?
Sem uma profunda limpeza nos aparelhos partidários penso que será difícil. Resta-nos votar em novos partidos que possam personificar esta mudança.
Deixo-vos um singelo contributo com algumas medias que poderiam melhorar a nossa democracia.
1-   Se o ato de participação cívica é em tese a participação nas eleições, então tal fato deve passar a ser obrigatório e deverão existir sanções para os que não participem, nomeadamente:
a.   Não poder ser eleitos para qualquer cargo de eleição ou nomeação política (governo, vereação, administração de empresas públicas ou municipais, etc);
b.   Não se poder candidatar a qualquer lugar na função pública;
c.   Ser causa para justo despedimento da função pública ou de empresas públicas ou municipais;
d.   Perder o direito a todos os abonos e apoios pagos pelo estado (escolas, serviço nacional de saúde, fundo de desemprego, pensões, estágios)
2-   A luta contra a corrupção tem também que ser melhorada. Um político acusado de ato de corrupção ou de prevaricação económica, tem que obrigatoriamente perder o direito de poder voltar a desempenhar qualquer cargo de origem política, seja por eleição seja por nomeação.
3-   Tem que ser mudado o ónus da prova do enriquecimento ilícito. Não pode ser a justiça que tem que provar a ilicitude de um enriquecimento, tem que ser o acusado a provar a licitude do dinheiro ou bens na sua posse.
4-   Nas eleições os votos brancos e nulos têm que passar a ter representatividade e transformados em lugares não preenchidos, sejam nas assembleias sejam nos executivos municipais.
5-   A participação em cargos políticos tem que ser disciplinada.
a.   No caso de desempenho de cargos executivos, a manter-se o limite de mandatos em executivos municipais de 3, este número tem que ser considerado de forma absoluta. Não faz sentido que um vereador possa fazer um número ilimitado de mandatos e o presidente não, ou que um presidente de câmara se possa candidatar em outra Câmara por mais 3 mandatos.
b.   No caso dos deputados também há situações que devem ser revistas nomeadamente as pensões vitalícias que não fazem qualquer sentido.
c.   A eleição uninominal dos deputados poderia carrear para o processo uma maior responsabilidade do político e uma maior ligação com o eleitor, que hoje é manifestamente inexistente.
Com estas e outras medidas talvez possamos regenerar a política, os políticos e a participação cívica de todos.
A alternativa é deixar que alguém mande, nos dirija e decida o que é melhor para nós sem a nossa participação.
Esta última opção não faz, de todo, o meu género!


Outros artigos de RUI FRADE RIBEIRO
+Nova Cascais- O betão, sempre o betão! 
+Cascais, a cegueira e a política!

*Os artigos de opinião publicados são da inteira responsabilidade dos seus autores e não exprimem, necessariamente, o ponto de vista de Cascais24.

Imprimir

2 comentários:

Anónimo disse...

Alguém viu Pedro Mota Soares do CDS
Está desaparecido desde as últimas eleições Europeias .
O suposto asilo seria em Cascais ao lado do grande lider .

Andre Duarte disse...

Excelente Artigo!
Revejo-me na critica faz ao cidadão comum, que se alheia das assembleias municipais. Não as frequento, e apenas por uma vez estive quase a ir. Apenas não fui, porque trabalho e vivo disso.

Mas ainda assim, deveríamos de todos ir e assistir. Tomarmos conhecimento dos assuntos e das opções tomadas, saber o porquê das mesmas, e ai sim: criticar construtivamente.

Sou dos que votei nos partidos marginais. Porquê, porque desconfio dos grandes partidos - O partido dos amigalhaços, à conta do parvalhão do contribuinte que so paga impostos e nao diz nada.

Tenho fé que as propostas do R.F. Ribeiro vejam luz do dia.
Excelente reflexão!

Cumprimentos, André Duarte

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."

Abrigos precisam-se!

Quem põe na ordem donos de caninos?

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo
Artigo de OPINIÃO Drª Francisca Delerue

Expulsemos as traquitanas