Afinal o que passa?

                                                                             30 MAIO 2019

Afinal o que se passa?
70% de abstenção e mais 7% de votos brancos e nulos são uma demonstração clara que a democracia em Portugal está doente e precisa urgentemente de um abanão.
Como chegámos até aqui?
Partilho o meu ponto de vista.
Se a democracia é uma forma de exercício de poder representativo, ou seja, a totalidade de pessoas de uma comunidade delega o seu poder num grupo restrito de pessoas por um determinado tempo, em Portugal é um processo que entrou em falência.
A explicação do fenómeno é, no meu ponto de vista, uma coisa parecida com a discussão do que é que surgiu primeiro, o ovo ou o pinto.
A democracia em Portugal transformou-se numa partidocracia, em que são os dirigentes partidários que exercem o poder tendo-se desligado da vontade do povo que representam. Se os eleitores não se revêm nessa forma de exercício de poder desinteressam-se do processo.
Também é verdade que hoje estamos genericamente afastados do hábito de pensar e de lutar pelo que achamos ser nosso direito.
É mais fácil ir ao Marquês festejar a vitória de uma equipa de futebol do que ir a uma Assembleia Municipal participar na discussão de um assunto que impacta na comunidade em que estamos inseridos.
Porque não queremos pensar, preferimos adotar a primeira balela que nos contam sem sequer um pequeno esforço de escrutínio da sua bondade, exequibilidade e interesse real para a comunidade.
É por isso que vemos uns quantos a participar em Orçamentos Participativos que vão decidir qual a corporação de bombeiros que vai receber mais uma ambulância ou qual a escola ou pavilhão desportivo que vai finalmente ver o telhado de amianto demolido.
Mas a esmagadora maioria está farta da falsa representação dos eleitores pelos partidos políticos, pela legislação criada que protege o corrupto, pela falta de medidas que promova a transparência e devolva legitimidade à democracia.
Mas como poderão ser os representantes dos Partidos, que ocupam os governos locais, regionais e nacional ser o garante dessa nova revolução tranquila?
Sem uma profunda limpeza nos aparelhos partidários penso que será difícil. Resta-nos votar em novos partidos que possam personificar esta mudança.
Deixo-vos um singelo contributo com algumas medias que poderiam melhorar a nossa democracia.
1-   Se o ato de participação cívica é em tese a participação nas eleições, então tal fato deve passar a ser obrigatório e deverão existir sanções para os que não participem, nomeadamente:
a.   Não poder ser eleitos para qualquer cargo de eleição ou nomeação política (governo, vereação, administração de empresas públicas ou municipais, etc);
b.   Não se poder candidatar a qualquer lugar na função pública;
c.   Ser causa para justo despedimento da função pública ou de empresas públicas ou municipais;
d.   Perder o direito a todos os abonos e apoios pagos pelo estado (escolas, serviço nacional de saúde, fundo de desemprego, pensões, estágios)
2-   A luta contra a corrupção tem também que ser melhorada. Um político acusado de ato de corrupção ou de prevaricação económica, tem que obrigatoriamente perder o direito de poder voltar a desempenhar qualquer cargo de origem política, seja por eleição seja por nomeação.
3-   Tem que ser mudado o ónus da prova do enriquecimento ilícito. Não pode ser a justiça que tem que provar a ilicitude de um enriquecimento, tem que ser o acusado a provar a licitude do dinheiro ou bens na sua posse.
4-   Nas eleições os votos brancos e nulos têm que passar a ter representatividade e transformados em lugares não preenchidos, sejam nas assembleias sejam nos executivos municipais.
5-   A participação em cargos políticos tem que ser disciplinada.
a.   No caso de desempenho de cargos executivos, a manter-se o limite de mandatos em executivos municipais de 3, este número tem que ser considerado de forma absoluta. Não faz sentido que um vereador possa fazer um número ilimitado de mandatos e o presidente não, ou que um presidente de câmara se possa candidatar em outra Câmara por mais 3 mandatos.
b.   No caso dos deputados também há situações que devem ser revistas nomeadamente as pensões vitalícias que não fazem qualquer sentido.
c.   A eleição uninominal dos deputados poderia carrear para o processo uma maior responsabilidade do político e uma maior ligação com o eleitor, que hoje é manifestamente inexistente.
Com estas e outras medidas talvez possamos regenerar a política, os políticos e a participação cívica de todos.
A alternativa é deixar que alguém mande, nos dirija e decida o que é melhor para nós sem a nossa participação.
Esta última opção não faz, de todo, o meu género!


Outros artigos de RUI FRADE RIBEIRO
+Nova Cascais- O betão, sempre o betão! 
+Cascais, a cegueira e a política!

*Os artigos de opinião publicados são da inteira responsabilidade dos seus autores e não exprimem, necessariamente, o ponto de vista de Cascais24.

Imprimir

2 comentários:

Anónimo disse...

Alguém viu Pedro Mota Soares do CDS
Está desaparecido desde as últimas eleições Europeias .
O suposto asilo seria em Cascais ao lado do grande lider .

Andre Duarte disse...

Excelente Artigo!
Revejo-me na critica faz ao cidadão comum, que se alheia das assembleias municipais. Não as frequento, e apenas por uma vez estive quase a ir. Apenas não fui, porque trabalho e vivo disso.

Mas ainda assim, deveríamos de todos ir e assistir. Tomarmos conhecimento dos assuntos e das opções tomadas, saber o porquê das mesmas, e ai sim: criticar construtivamente.

Sou dos que votei nos partidos marginais. Porquê, porque desconfio dos grandes partidos - O partido dos amigalhaços, à conta do parvalhão do contribuinte que so paga impostos e nao diz nada.

Tenho fé que as propostas do R.F. Ribeiro vejam luz do dia.
Excelente reflexão!

Cumprimentos, André Duarte

Publicação em destaque

BOMBEIROS de Parede salvam canídeo de poço. Veja o vídeo do resgate

CANÍDEO aguarda pelo socorro (Créditos: BVParede) RESGATADO COM SUCESSO . Um canídeo foi resgatado, esta quarta-feira, de manhã, pelos Bomb...

FOI NOTICIA

BLOGS