Expulsemos as traquitanas


Exmo Presidente

Excelência, é sempre por uma sentida comunhão de missão que humildemente me atrevo a mais uma vez incomodar V.Exª na partilha de umas quantas singelas reflexões que outro propósito não têm que o de enaltecer o rumo com que, para nosso bem, quis V.Exª engrandecer este luso recanto.

Pois, encontrando-me  eu, alguns dias volvidos, numa simpática vernissage onde admirava as suaves curvaturas de um robusto veículo quis a acaso que, por um repentino olhar, contemplasse a alameda do vetusto Casino pejada de carripanas que, lenta e penosamente, almejavam aceder à outrora tranquila Marginal.



Interroguei-me, então, qual o sentido de possuirmos das mais excelentes viaturas quando, afinal, somos manietados , para o seu devido usufruto , por turbas dessas traquitanas ambulantes com que a populaça teima em enxamear as nossas estradas.

Sei bem que V.Exª tem-se empenhado esforçadamente para convencê-los a prescindirem de tão inapropriado hábito. 

Pois que usem os excelsos transportes públicos que a edilidade lhes disponibiliza, afoitem-se a pedalar convictamente nessas briosas  bicicletas que V.Exª tanto lhes enaltece ou, então, que deem o salutar uso aos apêndices locomotores com que Deus os brindou. Tudo menos ocuparem as vias com hordas de ferro-velho que nos impedem de fruir em almejada aceleração as vias cascalejas.

Compreendo quanto V.Exª deve, pois, padecer por ver o nobre asfalto concelhio devastado pela imensa lataria de minúscula cilindrada. Sei quanto, debalde, tem tentado dar espaço de liberdade aos bólides do nosso prazer e o como antevê, acertadamente, serem inúteis iniciativas para abrir novas estradas, desnivelar cruzamentos, alargar avenidas, fazer viadutos ou mesmo construir parques de estacionamento. Quais térmitas esfomeadas esses carrinhos terceiro-mundistas espalham-se por todo o território, obstruem  qualquer circulação, ocupam desmesuradamente o espaço, consomem-nos o tempo e a paciência.



Confesso que fiquei enternecido com aquela ideia de V.Exª mandar pintar umas bicicletas nas laterais das nossas estradas. Percebi logo que a ideia era criar uma espécie de concurso de tiro ao alvo ou, neste caso, derruba-o-ciclista, que sempre teria a dupla vantagem de ser um entretenimento quando temos que transitar no inferno do  pára-arranca e , simultaneamente, podia contribuir para diminuir o número de gentinha sem autentico perfil de cidadania cascalense.

Na verdade ainda afaguei a frente do meu  BMW M850i xDrive na roda traseira duma dessas gangorras que transitam na Marginal mas o ingrato pedalante não apenas se furtou ao ansiado  trambolhão lúdico como ainda me mimoseou com aquele vernáculo colorido que só as classes inferiores conhecem.

Pior ainda, agora os ditos velocípedes parecem já só entusiasmar os turistas que amavelmente nos visitam furtando-se assim os nativos indesejáveis à salutar quebra demográfica que o 'derruba-o-ciclista' poderia proporcionar.


É pois com tristeza que confidencio a V.Exª a impraticabilidade de várias ideias me têm ocorrido como contributos para o crescente problema do excesso de viaturas desqualificadas. 

Está visto que oferecer camionetas para despachar quotidianamente no comboio alguns milhares de  transeuntes não funciona. Estas circulam vazias e os ditos continuam a achar-se no direito de usarem os seus tristes veículos para abarrotar as nossas estradas.

Resolver-se-ia sim, se pudesse V.Exª proibir a circulação no concelho de qualquer automóvel com cilindrada inferior a 2.500cm3. Aí poderíamos finalmente recuperar Cascais para o esplendor dos Bugatti, dos Ferrari, dos Lamborghini, dos Bentley e outros que tais.

Infelizmente, sem que se perceba porquê,  a V.Exª tal não é consentido.

Medida de maior alcance seria mesmo V. Exª mandar construir um Muro que salvasse o território a sul da autoestrada e onde, para além dos turistas só pudessem entrar residentes com rendimento superior a um Milhão anual. 

Os demais  que por aqui tivessem locação seriam amavelmente conduzidos para residências mimosas construídas do lado de lá do Muro o que até poderia ser no Parque Natural com bons ares e fáceis acessos na IC19 e no comboio de Sintra.

Infeliz e injustamente o Netanyahu e o  Trump podem construir muros e a V.Exª tanto não é autorizado.

É por estas e por outros que mui humildemente secundo a insistente exigência de V.Exª para que lhe sejam concedidos mais e melhores poderes.

Pois,  se já não podemos bradar garbosamente "PORTUGAL! É NOSSO!" possamos então sob a luz radiante de V.Ex proclamar em uníssono "CASCAIS! É NOSSO!"
A bem do Concelho, da Nação e da Europa.

Fim do Mundo, União das Freguesias de Cascais e do Estoril, 24 de junho de 2018

De V. Exª muito atento, venerador e obrigado

Zacharias de Casal-Riacho Jr.


Imprimir

Sem comentários: