7 arguidos proibidos de entrar em bairros sociais de Cascais depois de apanhados em megaoperação antidroga da GNR

Segurança

 

São 7 os arguidos proibidos de entrarem e/ou frequentarem bairros sociais do concelho de Cascais e de contactarem entre si no âmbito da megaoperação antidroga "Fonte 2765", lançada esta segunda-feira pela GNR e que, esta quinta-feira, ao final do dia, conheceram as medidas de coação decretadas pelo juiz de Instrução Criminal.

Para além disso, os arguidos em liberdade, mediante TIR, deverão, igualmente, fazer apresentações diárias no departamento policial da área do seu domicílio.

Noticia avançada em primeira mão por CASCAIS24
O próprio Comando Territorial da GNR de Lisboa, em comunicado divulgado esta sexta-feira, ao início da tarde, confirma as medidas de coação aplicadas aos suspeitos detidos no âmbito da megaoperação antidroga e avançadas ontem, em primeira mão, por Cascais24.

“11 indivíduos ficaram em prisão preventiva, sete ficaram com apresentações diárias em posto policial, proibição de contacto entre eles e de entrar em bairros sociais no concelho Cascais, e dois com Termo de Identidade e Residência”, confirma a GNR.

Recorda-se que, como também Cascais24 avançou, no concelho de Cascais as forças policiais efetuaram mais de 60 por cento das detenções no âmbito da ofensiva. Os bairros da Cruz Vermelha, Novo de Adroana, ambos na freguesia de Alcabideche, e da Torre, em Cascais, foram os alvos preferenciais da megaoperação antidroga “Fonte 2765”.



Também o Complexo Multiserviços da Câmara Municipal de Cascais, em Alcoitão, foi alvo de buscas, nomeadamente em instalações de uma empresa municipal para a qual um funcionário, 54 anos, que ficou conhecido como “Rebocador” da Polícia Municipal trabalhava. Este fora detido inicialmente em março último com 6 mil doses de haxixe e libertado posteriormente.  
Coronel Jorge Goulão
No mesmo comunicado, o Comando Territorial da GNR de Lisboa, há dois meses sob o comando do Coronel Jorge Goulão, revelou, igualmente, os resultados finais da megaoperação antidroga, coordenada pelo capitão Ricardo Silva.

Capitão Ricardo Silva, que coordenou a ofensiva
Ao todo, nas buscas efetuadas esta segunda-feira, nas quais foram empenhados 527 efetivos, quer da GNR com várias valências no terreno, quer da PSP, um juiz e quatro procuradores-adjuntos da República, foram confiscadas 25 971 doses de haxixe; 1 321 doses de cocaína; 19 doses de liamba; um selo LSD; cinco balanças de precisão; 27 938 euros em numerário; 147 dinars (moeda nacional de diversos países árabes) em numerário; três armas de fogo; 499 munições de diversos calibres; nove armas brancas; dois aerossóis de defesa; uma soqueira; quatro armas de ar comprimido; 42,7 gramas de ouro; 33 veículos ligeiros;  dois motociclos e, entre muitos outros, 146 telemóveis, 17 computadores, 10 tablets, seis pens, três discos rígidos e seis walkie talkies.


Nesta megaoperação foram detidas 20 pessoas, uma das quais guarda prisional no Estabelecimento Prisional de Caxias - um dos detidos preventivos, que recolheu à cadeia de Évora-  pelo alegado fornecimento de telemóveis a alguns reclusos ai detidos, entre os quais o ex-ator da série “Morangos com Açúcar” Tomás Santos que, mesmo detido, manteria contatos com suspeitos de tráfico no exterior.




























1 comentário:

Da Serra disse...

"São 7 os arguidos proibidos de entrarem e/ou frequentarem bairros sociais do concelho de Cascais e de contactarem entre si"

Isto SÓ PODE SER ANEDOTA!!!