Antigo assaltante de bancos preso em Vale de Judeus diz que tem solução para acabar com assaltos com gás às caixas Multibanco

Segurança





Velha “figura” do crime organizado e violento em Portugal, o antigo assaltante de bancos e membro do “Gang das Boinas” e da quadrilha FP27 Manuel Gonçalves, conhecido na giria criminal por Manuel Francês, atualmente a cumprir 16 anos de prisão em Vale de Judeus, garante ter a solução para acabar com os ataques com explosivos a caixas de Multibanco.



Aos 68 anos e natural de Penamacor, Manuel Gonçalves é um dos muitos reclusos do estabelecimento prisional de alta segurança de Vale de Judeus.



Conhecedor dos mecanismos dos ATMs e do método usado pelos assaltantes na injeção de gás nas caixas, Manuel Francês assegura que “tem a chave para acabar de vez com as explosões”.



No entanto, como o segredo é a alma do negócio, Manuel Francês não revela em que consiste o “sistema capaz de pôr fim aos ataques com gás”, mas adianta que “fornecerá todos os detalhes, a troco de contrapartidas, aos responsáveis pela SIBS ou pelas seguradoras”.



Para tanto, manifestou-se “disponível para ser contatado pelos eventuais interessados”, através do seu advogado João Ferreira.



Advogado João Ferreira confirma "disponibilidade " de Manuel Francês para "colaborar"
Por sua vez, em declarações a Cascais24, o conhecido advogado criminal confirmou “a disponibilidade” do seu cliente para “colaborar com este sistema que irá poupar muitos milhões de euros, roubados nos assaltos e acabar, também, com o alarme social que este género de ataques está a provocar na sociedade”.



Só este ano registaram-se, um pouco por todo o País, de Norte a Sul, 175 ataques com gás a caixas Multibanco, em que foram roubados mais de dois milhões de euros.



No concelho de Cascais, por exemplo, mais de dezena e meia de ATMs foram assaltados desde janeiro último.



Para além do mais, quando há um assalto com recurso a explosivos -a forma mais usada nos últimos tempos – registam-se estragos materiais elevados nos edifícios de habitação e nos estabelecimentos em cujas fachadas estão instalados os ATMs e até nas próprias agências bancárias.


Passado

Manuel Gonçalves, um antigo membro da tristemente célebre quadrilha “FP27” ou “Gang dos Cavacos”, que aterrorizou o País nos anos 80, cumpre pena em Vale de Judeus depois de condenado pelo Tribunal de Leiria por integrar a dupla de salteadores de bancos que ficou conhecida como o “Gang das Boinas”, apanhada em 2008 pela Polícia Judiciária (PJ) de Coimbra.



Foram os próprios inspetores que batizaram a dupla, formada por Manuel Francês e João dias, entretanto falecido na cadeia, como o “Gang das Boinas” por protagonizarem os assaltos a dependências bancárias disfarçados com óculos escuros, barbas postiças, perucas e bonés sempre de diferentes cores e modelos.

Os dois assaltantes entravam nas agências bancárias, a maioria delas situadas na província, ameaçavam clientes e funcionários com armas de fogo e fugiam com elevados montantes.



Atuavam, em regra, com aparente tranquilidade, não fossem dois experientes “profissionais”.



Num dos assaltos a uma Caixa de Crédito Agrícola do distrito de Leiria, de onde roubaram quase 10 mil euros avisaram à entrada: “Já sabem ao que viemos, portanto, abram as caixas e fiquem quietinhos que isto é um assalto".



Ao todo, entre abril de 2006 e dezembro de 2007, o “Gang das Boinas” sacou cerca de 130 mil euros em ataques a bancos.


















1 comentário:

Canal do PIPO disse...

Um dos vários métodos ou super segredo é muito simples, para o gas não acumular dentro do ATM basta por sopradores, ventiladores e assim o gas nao se acumula a ponto de explodir, o gás é expulso.
Simples, não é?