MULTIMÉDIA. Páscoa feliz em segurança


Antigo assaltante de bancos preso em Vale de Judeus diz que tem solução para acabar com assaltos com gás às caixas Multibanco

Segurança





Velha “figura” do crime organizado e violento em Portugal, o antigo assaltante de bancos e membro do “Gang das Boinas” e da quadrilha FP27 Manuel Gonçalves, conhecido na giria criminal por Manuel Francês, atualmente a cumprir 16 anos de prisão em Vale de Judeus, garante ter a solução para acabar com os ataques com explosivos a caixas de Multibanco.



Aos 68 anos e natural de Penamacor, Manuel Gonçalves é um dos muitos reclusos do estabelecimento prisional de alta segurança de Vale de Judeus.



Conhecedor dos mecanismos dos ATMs e do método usado pelos assaltantes na injeção de gás nas caixas, Manuel Francês assegura que “tem a chave para acabar de vez com as explosões”.



No entanto, como o segredo é a alma do negócio, Manuel Francês não revela em que consiste o “sistema capaz de pôr fim aos ataques com gás”, mas adianta que “fornecerá todos os detalhes, a troco de contrapartidas, aos responsáveis pela SIBS ou pelas seguradoras”.



Para tanto, manifestou-se “disponível para ser contatado pelos eventuais interessados”, através do seu advogado João Ferreira.



Advogado João Ferreira confirma "disponibilidade " de Manuel Francês para "colaborar"
Por sua vez, em declarações a Cascais24, o conhecido advogado criminal confirmou “a disponibilidade” do seu cliente para “colaborar com este sistema que irá poupar muitos milhões de euros, roubados nos assaltos e acabar, também, com o alarme social que este género de ataques está a provocar na sociedade”.



Só este ano registaram-se, um pouco por todo o País, de Norte a Sul, 175 ataques com gás a caixas Multibanco, em que foram roubados mais de dois milhões de euros.



No concelho de Cascais, por exemplo, mais de dezena e meia de ATMs foram assaltados desde janeiro último.



Para além do mais, quando há um assalto com recurso a explosivos -a forma mais usada nos últimos tempos – registam-se estragos materiais elevados nos edifícios de habitação e nos estabelecimentos em cujas fachadas estão instalados os ATMs e até nas próprias agências bancárias.


Passado

Manuel Gonçalves, um antigo membro da tristemente célebre quadrilha “FP27” ou “Gang dos Cavacos”, que aterrorizou o País nos anos 80, cumpre pena em Vale de Judeus depois de condenado pelo Tribunal de Leiria por integrar a dupla de salteadores de bancos que ficou conhecida como o “Gang das Boinas”, apanhada em 2008 pela Polícia Judiciária (PJ) de Coimbra.



Foram os próprios inspetores que batizaram a dupla, formada por Manuel Francês e João dias, entretanto falecido na cadeia, como o “Gang das Boinas” por protagonizarem os assaltos a dependências bancárias disfarçados com óculos escuros, barbas postiças, perucas e bonés sempre de diferentes cores e modelos.

Os dois assaltantes entravam nas agências bancárias, a maioria delas situadas na província, ameaçavam clientes e funcionários com armas de fogo e fugiam com elevados montantes.



Atuavam, em regra, com aparente tranquilidade, não fossem dois experientes “profissionais”.



Num dos assaltos a uma Caixa de Crédito Agrícola do distrito de Leiria, de onde roubaram quase 10 mil euros avisaram à entrada: “Já sabem ao que viemos, portanto, abram as caixas e fiquem quietinhos que isto é um assalto".



Ao todo, entre abril de 2006 e dezembro de 2007, o “Gang das Boinas” sacou cerca de 130 mil euros em ataques a bancos.


















1 comentário:

Canal do PIPO disse...

Um dos vários métodos ou super segredo é muito simples, para o gas não acumular dentro do ATM basta por sopradores, ventiladores e assim o gas nao se acumula a ponto de explodir, o gás é expulso.
Simples, não é?

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."

Abrigos precisam-se!

Quem põe na ordem donos de caninos?

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo
Artigo de OPINIÃO Drª Francisca Delerue

Expulsemos as traquitanas