Em Cascais também vivem animais

Opinião

                                                                                     13 JULHO 2018




Apesar de todo o populismo e desinformação que o debate em torno desta lei causou é já possível verificar em Cascais a existência de vários locais que permitem a entrada de animais em espaços fechados. Na esfera privada, e a título de exemplo, somos brindados com o recente Roots Café e que tem, inclusive, um simpático dístico à entrada.

Em Cascais existe a noção de que somos um município “amigo dos animais”. Prova disto é o Parque Canino de S. Pedro do Estoril, inaugurado em junho de 2015 e “re”-inaugurado a 19 de maio de 2017, curiosamente nos alvores das eleições autárquicas, sob uma nova gerência.

Obviamente que isto é positivo e ninguém coloca em questão que devemos começar por algum lado. Este excelente exemplo deve ser replicado isto porque Cascais tem um complexo habitacional muito extenso e milhares de agregados familiares. Da mesma forma que temos, ou devemos idealmente ter, no nosso bairro máquinas para exercitar, parques, jardins, hortas comunitárias e parques infantis, devemos também ter “DogParks”. Este deve ser próximo e acessível. Este exemplo deve ser estendido a todas as freguesias do município como sugerimos no nosso programa eleitoral das autárquicas



Os animais no nosso país são considerados membros familiares e seres sensíveis perante a lei à luz do novo estatuto jurídico do animal. Esta proposta do PAN permitiu acelerar a mudança de paradigma civilizacional na forma como vemos e tratamos os animais. A propósito, estima-se que existam, em Portugal, 6,2 milhões de animais de estimação e segundo o estudo da GFK, em 2011, 45% dos lares tinham, pelo menos, um animal; em 2013, 50%; em 2014, 54% (o que corresponde a 2,085 milhões de lares). Em 2015 eram 6,305 milhões os animais de estimação registados. Devemos aceitar que estes seres também são habitantes legítimos do concelho e as políticas públicas devem prever os seus direitos bem como dos seus tutores.

Os nossos amigos de quatro patas são parte integrante da nossa família e gostam de se juntar a nós em passeios e corridas pelos areais. Em Portugal existem apenas duas praias para cães: a Praia do Porto da Areia Norte (Peniche) e a Praia do Coral (Viana do Castelo). Cascais voltada para o mar pode beneficiar muito com uma praia que permita a circulação e permanência, com regras, de animais de companhia.

Cascais é por excelência um município de bons exemplos: o Bar da Duna da Cresmina na esfera municipal mesmo antes da lei era já “animal Friendly” e permite a entrada destes seres na esplanada. Um exemplo de vanguardismo mesmo que ao ar livre.


Por outro lado, ainda temos um longo caminho a percorrer e um sem número de exemplos menos bons no município: é o caso da Fiartil-Feira de Artesanato do Estoril. Conhecida por ser a mais antiga de Portugal voltou a abrir portas mas, infelizmente, nem todos são bem-vindos: pelo 3º ano consecutivo foi vedada a entrada a animais de companhia. Esta situação veio quebrar uma tradição saudável com décadas. Fazia parte do programa de fim de tarde de Verão em Cascais de várias famílias visitar a Feira com os seu companheiros de quatro patas. Pode dizer-se que é um retrocesso e sabemos que existe neste momento muitos Cascalenses a boicotar o evento por não ser permitida esta entrada. Não vão e dizem para ninguém ir. Sendo, ainda por cima, um espaço ao ar livre, quem perde é Cascais, e os seus comerciantes.

Já que a maioria dos cascalenses tem animais de companhia na sua família lanço o desafio: Para quando uma Cascais estruturalmente mais amiga dos animais?

2 comentários:

Da Serra disse...

Já agora, para quando os donos dos cãezinhos passam a apanhar os co-cós que eles fazem?
Felizmente já há muita gente que o faz, mas há outro tanto que não o faz.
Isto sim!

Anónimo disse...

Isso e as beatas, as garrafinhas de plástico, as latas, o lixo etc ;)