Menina perdida na praia encontrada e entregue à mãe pelo Diretor Nacional Adjunto da PSP Magina da Silva

Segurança

Magina da Silva encontrou e entregou à mãe a menina perdida na praia de Carcavelos
Por Redação
24 abril 2019
Uma menina, 4 anos, perdida este sábado no areal da praia de Carcavelos, foi encontrada e entregue meia hora depois à mãe pelo Diretor Nacional Adjunto da PSP, Superintendente-Chefe Magina da Silva, confirmou, a Cascais24, o Intendente Alexandre Coimbra, porta-voz da Direção Nacional da corporação.


Magina da Silva, que vive no concelho de Cascais, encontrava-se na praia, em período de lazer, acompanhado da mulher.
A certa altura, o Superintendente-Chefe e a mulher viram uma criança perdida e abordaram-na. A menina deu o nome completo e a idade e disse que andava à procura da mãe. 
Ao aperceber-se de que a criança não usava a pulseira do programa “Estou Aqui”, Magina da Silva e a mulher percorreram o areal com a menina pela mão, até que, cerca de meia hora depois, ela avistou a mãe, a qual, em lágrimas, também a procurava desesperadamente. 

O reencontro entre as duas foi marcado por um forte e comovido abraço e muitos beijos.
Intendente Alexandre Coimbra, porta-voz da DN/PSP
A propósito, o Intendente Alexandre Coimbra alertou para a existência do programa “Estou Aqui”, destinado a crianças entre os 2 e os 10 anos e que visa ajudar nos casos de crianças perdidas. 

O programa “Estou Aqui” consiste numa pulseira com um código alfanumérico em que é possível identificar facilmente uma criança perdida e agilizar o reencontro com os respetivos educadores.

Esta pulseira pode ser solicitada em    https://estouaqui.mai.gov.pt/Pages/Home.htm 

Quem é o nº 2 da PSP

Superintendente-Chefe Magina da Silva
O Superintendente-Chefe Magina da Silva, 53 anos, que este sábado encontrou a menina perdida, na praia, em Carcavelos, é Diretor Nacional Adjunto da PSP desde agosto de 2015, tendo exercido antes, desde fevereiro de 2012, a função de Inspetor Nacional.

No âmbito académico, Manuel Augusto Magina da Silva é possuidor de licenciatura em Ciências Policiais, ministrada pelo Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna (ISCPSI). Em termos de formação profissional, concluiu o Curso de Operações Especiais, o Curso de Direção e Estratégia Policial e o Curso de Auditor de Defesa Nacional.
Participou em diversas ações de intercâmbio no domínio técnico e tático envolvendo Unidades de Operações Especiais contraterroristas de diversos países, designadamente o Grupo ATLAS, e em ações de formação, conferências e seminários internacionais em diversos países, sobre segurança interna e combate ao terrorismo, tendo sido designado como perito nacional no Grupo de Trabalho Técnico para Grandes Eventos e Informação relacionada com Terrorismo (METRI PRUM).
Integrou vários grupos de trabalho de âmbito nacional, dos quais se destacam os relacionados com a elaboração de doutrina, regras e procedimentos relativos ao uso da força na PSP, com a revisão geral da legislação nacional sobre armas e munições, com a aquisição das pistolas que atualmente equipam a Guarda Nacional Republicana e a PSP e com a definição de procedimentos operacionais de resposta à ocorrência de incidentes tático-policiais.
Na qualidade de Comandante da Unidade Especial de Polícia, cargo que exerceu de maio de 2008 a fevereiro de 2012, participou no planeamento e no comando de diversas operações policiais complexas e de elevado risco, ocorridas em território nacional, nomeadamente as relacionadas com a realização da Cimeira Ibero-Americana (novembro de 2009), a visita de Sua Santidade o Papa (maio de 2010) e a realização da cimeira da NATO (novembro de 2010).
Imprimir


Sem comentários:

MULTIMÉDIA. SEGURANÇA

A PSP e o Metro recomendam: "Durante a abertura de portas não utilize o telemóvel. Pode ser vítima de roubo."

Abrigos precisam-se!

Quem põe na ordem donos de caninos?

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo

Hospitalização domiciliária traz benefícios para o doente agudo
Artigo de OPINIÃO Drª Francisca Delerue

Expulsemos as traquitanas