Câmara promete refeições escolares com mais qualidade neste ano letivo

Atual

Por Redação
14/09/2018

A partir de segunda-feira, os alunos dos 35 jardins de infância e escolas do 1.º Ciclo do concelho de Cascais passam a contar com um serviço de refeições com melhor qualidade, promete a Câmara Municipal de Cascais, segundo a qual as ementas passam a incluir obrigatoriamente carne de “categoria talho” como bifes de alcatra, pojadouro e vazia e “peixe nobre” como pescada n.º 5, lombo de cherne, salmão ou bacalhau crescido.

As refeições são fornecidas pela ITAU - uma sociedade de restauração coletiva, do grupo Trivalor (GSPS) - que ganhou com o preço mínimo exigido (2,02€), apresentando uma ementa e um quadro de pessoal acima do mínimo exigido, diz o município. O preço de € 2,02 + IVA por refeição, representa um aumento de 63,4% face ao preço até agora em vigor, mas este será suportado integralmente pela Câmara Municipal de Cascais, que garante não existir qualquer alteração do preço que os encarregados de educação pagam por cada refeição dos seus educandos.


Carlos Carreiras
“Partimos do reconhecimento de que, por maiores que fossem os esforços das empresas, os índices de qualidade que pretendemos nas refeições das nossas crianças não eram atingidos com requisitos impostos centralmente e que conduziam a uma sobreposição do fator preço sobre a qualidade. É irrelevante saber de quem é a responsabilidade. Porque as pessoas, sobretudo as crianças, são sempre da nossa responsabilidade”, afirma o chefe do governo local de Cascais, Carlos Carreiras. 

De acordo com o site oficial da edilidade cascalense, com mais de 1.100.000 refeições servidas ao longo do ano letivo (cerca de 6.200 por dia), as escolas do Ensino Pré-escolar e 1.º ciclo do concelho garantem almoços a 95% da população escolar. 

Em Cascais existe ainda o serviço de lanches escolares que são servidos a 55 % da população escolar, revela, por sua vez, Frederico Pinho de Almeida, vereador da Educação que, ao longo do último ano letivo, levou à Assembleia da República uma petição para denunciar as fragilidades da legislação na matéria e, segundo o qual,  “permitem-se situações em que quem ganha os concursos não tem condições para prestar o serviço. Isso é intolerável!”

E foi para contrariar esta situação que Cascais decidiu inovar e lançou um novo concurso em que impôs como critérios decisivos a melhoria dos recursos humanos da entidade prestadora do serviço e da qualidade da matéria-prima das refeições escolares, adianta o site oficial do município, o qual revela, ainda, que a ITAU – Instituto Técnico de Alimentação Humana S.A – vai ter de aumentar em 10% de colaboradores, incluindo cozinheiros-chefe (categoria máxima) nos polos de confeção e cozinhas com mais de 150 refeições. 

Ao todo, as equipas vão ter de trabalhar mais 30% do tempo anteriormente despendido para prestação do serviço.

Frederico Pinho de Almeida
“Para garantir maior qualidade dos pratos servidos, e além das imposições do Ministério da Educação, o município de Cascais, impede o uso de fécula de batata nas sopas e obriga à utilização de azeite virgem na confeção e virgem extra no tempero de alimentos crus”, diz a edilidade, que adianta que “o prato principal que terá alternar entre carne (3 dias) e peixe (2), (sem repetições na mesma semana), terá de incluir carne de “categoria talho” como bifes de alcatra, pojadouro e vazia (duas vezes por semana) e “peixe nobre” como pescada n.º 5, lombo de cherne, salmão ou bacalhau crescido (uma vez por semana).


Segundo a Câmara Municipal de Cascais, “obrigatório é ainda incluir diariamente duas variedades de hortícolas a acompanhar o prato principal”. 

O governo local de Cascais promete, ainda, que continuará a ser intransigente no cumprimento do caderno de encargos” e que, “na eventualidade de existir algum incumprimento” serão aplicadas as multas/sanções previstas, a exemplo do que foi feito neste último ano letivo. A promessa é do vereador Frederico Pinho de Almeida.
Imprimir

2 comentários:

Anónimo disse...

Propaganda barata.
Alguém acredita que por 2 euros +iva os menus comportem estas iguarias ?
Já que tanto apregoam mostrem aos municipes as reais penalizações do anterior prestador de serviços.

Gaspar Lima disse...

vão á escola básica Prof Maria margarida Rodrigues mas de surpresa para verificarem o método de confeção