Contas dos últimos 4 anos da Junta de Carcavelos e Parede vão ser auditadas

Atual

Por Redação
02/07/2018

Nuno Alves, eleito nas últimas autárquicas pela coligação Viva Cascais (PSD/CDS-PP) presidente da União de Freguesias de Carcavelos e Parede, confirmou esta segunda-feira, a Cascais24, que será realizada uma auditoria externa às contas do mandato liderado pela sua antecessora de coligação Zilda Costa Silva.

Esta auditoria, recorda-se, surge por sugestão do grupo do Partido Socialista (PS), que a tem exigido, de forma reiterada, ao longo das últimas reuniões da Assembleia de Freguesia, embora esta segunda-feira, em declarações a Cascais24, o presidente Nuno Alves tenha assegurado que “era uma ideia que tínhamos espelhado em nome da transparência”, reforçada com a proposta dos representantes da oposição.


Nuno Alves
Esta sexta-feira, na última Assembleia de Freguesia, Nuno Alves revelou, finalmente, que irá ser realizada uma auditoria externa ao anterior mandato, tendo, no entanto, declarado “desconhecer ainda os moldes específicos em que irá decorrer”. À pergunta de Cascais24 “acha que esta auditoria à justificável, apesar de só, em outubro, ter assumido o cargo, substituindo a sua antecessora, da mesma coligação”, Nuno Alves limitou-se a considerar “tratar-se de um instrumento normal”.


Ricardo Pires
Já Ricardo Pires, porta-voz do grupo de lista do Partido Socialista (PS), em declarações a Cascais24 afirmou tratar-se de “um importante reconhecimento, por parte do atual Executivo da Junta, de que para podermos avançar em frente temos que saber como e em que moldes foram deixadas as contas da Junta no mandato anterior”.


Conforme Cascais24 noticiou na oportunidade, na Assembleia de Freguesia de maio último, Os deputados do PSD e CDS-PP recusaram-se a participar no respetivo plenário onde iriam ser apreciadas propostas da oposição para pedir uma auditoria às contas da Junta de Freguesia, por suspeita de alegadas irregularidades na prestação de contas do ano passado. 

«As contas foram chumbadas para que uma auditoria possa esclarecer e apurar se estas contas refletem o que se passou no ano de 2017”, afirmou, na altura, Ricardo Pires, porta-voz do PS e candidato nas últimas eleições autárquicas à Junta de Freguesia de Carcavelos e Parede.


“Somos responsáveis política, civil e criminalmente pelas nossas ações e omissões, e não podíamos deixar em claro as alegações que o atual Executivo fez sobre a situação no anterior mandato”, acrescentou o porta-voz do PS na Assembleia de Freguesia.



Zilda Costa Silva
Segundo Cascais24 apurou, a esta auditoria não serão alheios, entre outros, o alegado desfalque de 430 mil euros na ainda então Junta de Freguesia de Parede e herdado por Zilda Costa Silva que, em 2013, assumiu a liderança da então constituída União de Freguesias de Carcavelos e Parede, no âmbito da reforma administrativa, bem como, durante o seu mandato, um conjunto de alegadas irregularidades com contratação e pagamento de pessoal e outras valências na área financeira.

Nas últimas eleições autárquicas de 1 de outubro, a freguesia de Carcavelos e Parede viu reeleita a coligação Viva Cascais, composta pelo PSD e pelo CDS-PP, tendo a oposição (PS, PCP e BE) mantido a maioria na respetiva Assembleia de com 10 dos 19 eleitos.


Noticia relacionada



Imprimir

Sem comentários: